18º aniversário do meu irmão

12:47

Oi pessoal, tudo bem com vocês? Espero que sim! 

No post de hoje venho - com um atraso considerável - contar como foi o aniversário de 18 anos do meu irmão. 18 ANOS!!! Meu Deus, inacreditável...

Pra quem não sabe, eu e o Lucas temos 4 anos de diferença de idade. Não é muita coisa, mas na infância parecia ser. Agora que ele está com 18 e eu estou com 22 é bem estranho porque ele está maior do que eu, a voz engrossou [...] Ele se tornou um homem de verdade. Eu fico aqui pensando: "é, meu bebezinho já está desse tamanho" e sinto uma sensação esquisita, porém muito boa.

Agradeço a Deus pela vida dele, por ele ser essa pessoa maravilhosa - uma das melhores que já conheci - e, apesar da criação do nosso pai e da mãe dele ter contribuído para isso, acredito que metade do mérito é dele, é da sua própria natureza.

Mas enfim, esse ano - diferente dos anteriores - participei das duas comemorações. Todo ano há duas comemorações, mas costumo estar presente em apenas uma delas - que é a comemoração junto com nosso pai. Porém ano retrasado eu e a mãe dele (como já falei nesse post aqui) fizemos as pazes e eu estive presente na comemoração com ela também.

A comemoração com ela aconteceu no próprio dia do aniversário (17/01/18, quarta-feira) e nós fomos em um rodízio de pizzas na Dutra, na altura de Nova Iguaçu: a Petiscaria Imperial.

A comemoração com nosso pai foi um pouco mais tardia (quase 2 semanas depois), mas fiz questão que acontecesse. Fomos - como sempre - no Shopping Via Brasil (que fica entre a Dutra e a Av. Brasil).

Irei compartilhar com vocês um pouco desses dois momentos super significativos pra gente.


Como nunca fazemos nada diferente, a ideia inicial era bolar algo inédito. Então - com certa antecedência - comecei a pesquisar novas possibilidades. Pesquisei paintball, scape 60, clube de tiro, patinação no gelo, teatro e uma infinidade de opções, porém sempre havia algum problema e, quando não havia, o valor era exacerbado.

Nós ficamos nesse impasse durante um bom tempo até que a Eliane (mãe do Lucas) me mandou uma mensagem no whatsapp alguns dias antes do aniversário dele dizendo que conseguiu convencê-lo a comemorar no rodízio de pizzas (que falei acima). Obviamente essa opção também passou pela minha cabeça (comida é comigo mesma), mas não a cogitei de fato por dois motivos: 1) nosso pai é diabético 2) meu irmão come que nem um passarinho (vocês não têm noção, é meu extremo oposto nesse quesito).

Enfim, ela convidou eu e o Léo e, como saio do estágio 14h e estava marcado para 19h, confirmei a minha presença, mas não a do Léo pois o dia e o horário eram ruins para ele pois inviabilizavam a volta para casa.

No dia liguei para o restaurante e fiz a reserva. Saí da firma, passei em casa, tomei banho e me arrumei lá. Nosso pai estava em casa e Eliane foi me buscar - junto com o meu irmão e o marido dela. Nosso pai foi no portão parabenizar o Lucas e logo em seguida fomos.


Ao chegarmos lá alguns dos tios do Lucas já estavam o esperando: tia Simone com o marido e o filhinho e o Cleiton com a esposa. Depois chegou o Rodrigo com a esposa e a tia Cátia sozinha.

Há muitos anos não via algumas daquelas pessoas (pessoas essas que fizeram parte da minha vida praticamente integralmente, pois - tirando a tia Simone - quando nosso pai era casado com a Eliane morávamos em uma casa - a que meu irmão mora atualmente - que fica no mesmo quintal que as casas deles) e é engraçado como, apesar do tempo ter passado, há coisas que não se perderam. Logicamente não estou presente na vida deles e eles também não estão presentes na minha, porém não nos "desconhecemos", entendem? E isso me agradou bastante, me senti extremamente confortável, demos boas risadas, comemos demais... Foi ótimo! A única queixa que tenho a fazer é a ausência do meu pai, mas essa é uma longa história que provavelmente jamais será tema de publicação aqui no blog.

O Lucas demonstrou estar bem feliz e esse foi o fato mais importante, pois o dia era dele. Porém - no rodízio de pizzas - ele comeu - sem brincadeira - nada mais nada menos do que 3 PEDAÇOS de pizza: 1 mussarela e 2 calabresa.

No restaurante também havia a opção de rodízio de petisco e de carne (com a pizza inclusa) - que a maioria, inclusive eu, não quis - e apenas o Rodrigo, a esposa e a tia Cátia escolheram.

O valor não era tão alto, mas eu não estava me sentindo bem fisicamente. Havia tomado a vacina contra a febre amarela no dia anterior e, pasmem, estava apresentando quase todos os sintomas da doença: febre, dor de cabeça, calafrios, mal-estar e náusea.

Eu, é claro, tentei relevar. Estava nervosa, mas não quis demonstrar. No final comentei com eles, porém não fiz grandes alardes. Tentei bloquear os pensamentos neuróticos na minha mente - que até então não eram tão fortes.

Quando nos satisfizemos  (lê-se quase explodimos de tanto comer) fomos tirar algumas fotos (tanto dentro do estabelecimento quanto fora). O Lucas, pra variar, resistiu no início, mas - como sempre - venci na insistência (kkkk).



Fiz um vídeozinho de bobeira - só para implicar - que acabou ficando super engraçado e (apesar de não saber como funciona o armazenamento de vídeo aqui no blogger) o deixarei aqui embaixo para vocês assistirem.


A Eliane, o marido dela e o Lucas me levaram pra casa e - cortando brevemente o assunto principal - chegando avisei ao nosso pai que não estava bem e listei o que sentia. Ele ficou levemente desesperado (porque é 8 ou 80 como seus filhinhos: ou é totalmente indiferente ou se dedica com toda sua alma, sem meio-termo) e, por "coincidência", nosso Tio Nilson (que é pastor) estava a caminho lá de casa. Ele me orou e Cris e papai me medicaram. Nossas primas (Nathália e Sheila) também estavam lá - o que é um milagre.

Fui dormir e, apesar de não tão legal externamente, estava infinitamente feliz internamente.

(No outro dia fui para o estágio normalmente, a única diferença é que fui de tarde. Sobrevivi! Não se preocupem! Kkk.)


Sobre a comemoração com nosso pai, acabou sendo no domingo (28/01/2018) e levantamos um debate em que 3 não foram capazes de (con)vencer 1: nosso pai, eu e o Léo versus o Lucas. Nós 3 queríamos ir no Norte Shopping com os seguintes objetivos: 1) almoçar, 2) comprar o presente de aniversário dele e 3) assistir - no Engenhão - o jogo Botafogo X Boa Vista, porém - após o fiasco da temporada passada - meu irmão prometeu que não iria no estádio assistir o Botafogo esse ano e não deu o braço a torcer. Foi uma das poucas vezes que insistir não surtiu efeito, ele estava irredutível. Fomos então no Shopping Via Brasil (que citei no início do post).

O Léo havia acabado de conseguir um emprego (uhu!) e não fomos no cinema tanto porque não havia nenhum filme interessante em cartaz quanto porque o Léo precisava comprar algumas coisas pra ele - e o Léo comprando é só Jesus na causa.

Ao chegarmos a primeira coisa que fizemos foi almoçar. O Lucas - do contra todavida - já havia comido. Comprei strogonoff de camarão pra mim e pro nosso pai e burguer king pro Léo. Conversamos um pouco e depois fomos para sobremesa: comprei milkshake de ovomaltine do Bob's para eles e fondue de frutas pra mim. Não costumo pagar tudo quando saímos juntos, mas dessa vez fiz questão pois estava me sentindo mal pela demora da nossa comemoração esse ano.

O Léo foi comprar as coisas dele e depois de um tempo meu pai decidiu esperar em um lugar X e o Lucas continuou comigo. Tivemos alguns problemas com meu cartão da Leader, porém entre mortos e feridos salvaram-se todos e no fim deu tudo certo. Nosso pai já estava levemente irritado com a demora e ficou ainda mais quando se deparou com a fila para pagar o estacionamento (2 dos 3 guichês não estavam funcionando).

No meio disso tudo ainda não havia comprado o presente do Lucas e aproveitei que a fila ficava em frente a Riachuelo para entrar lá com ele e procurar uma calça bege/marrom. Há uns meses nosso pai deu uma blusa verde militar pra ele e ele não gostou muito porque disse que é simples e eu disse que ficaria linda com uma calça dessa cor.

Para nossa felicidade encontramos uma do número dele e ele levou outras duas para o provador para o caso de não gostar dela.

Sobre o provador: quando entramos na loja a primeira coisa que chamou nossa atenção foi um banheiro químico laranja fluorescente no meio das araras de roupa. Ficamos sem entender o que aquilo estava fazendo ali, mas não por muito tempo. Ao pegarmos as 3 calças para ele levar ao provador fomos informados que aquele "banheiro químico" era, na verdade, o 8provador masculino e caímos na risada! Kkkk. Não tinha vaso nem nada nele, só um espelho de corpo inteiro, ganchos para pendurar roupa e uma iluminação bem boa.

Ele gostou de todas as calças, mas escolheu a bege () pois iniciaria a faculdade em breve (começou dia 09/03/18) e as outras eram iguais a todas que ele tem. Fomos para a fila do caixa, pagamos e nosso pai e o Léo ainda estavam na fila para pagar o estacionamento.

Sobre a fila para pagar o estacionamento: quando chegou a vez do nosso pai ele ouviu o atendente resmungando sobre o cliente anterior "filho da puta, acabou com meu troco" e começou a rir. O atendente olhou para ele assustado e nós não entendemos nada, só depois ele nos explicou! Kkkk.

Fomos para casa e ainda deu tempo deles assistirem o 2° tempo do jogo (que terminou em 1 X 0 para o Botafogo). O Léo foi embora assim que o jogo acabou porque teria que trabalhar no dia seguinte e o Lucas ficou lá em casa até a hora do nosso pai buscar a Cris na igreja.



Além das duas comemorações também houve as tradicionais parabenizações no Facebook. Preparei meu textinho - com todo amor e carinho - com antecedência para ser a primeira a publicar na linha do tempo dele, mas nosso paizinho - estilo The Flash - conseguiu ser mais rápido do que eu.


Mas tudo bem: o que realmente importa é que o Lucas saiba o quanto nós o amamos e tudo o que desejamos para ele.

Publicação do nosso pai no facebook:


Minha publicação no facebook:


"Hoje o meu irmão está completando 18 anos. Meu irmãozinho, meu bebê está atingindo a maioridade. Nossa! Como o tempo passa, viu?

As minhas memórias são tão recentes que quando penso na nossa infância é como se eu a revivesse. Os jogos no videogame e no computador, as séries e os desenhos na TV, as brincadeiras no quintal e no corredor, os brinquedos espalhados por todos os cômodos da casa, a beliche do quarto que dividíamos...

Eu tinha/tenho mania de fazer cálculos mentais e certo dia constatei que o Lucas só faria 15 anos em 2015. Esse ano era tão bizarramente distante na minha cabeça que parecia que nunca chegaria, mas olha só onde estamos: 2018! O ano em que o meu menininho se torna oficialmente um homem.

Meus desejos para você, irmão, são tão profundos que descrevê-los se torna uma tarefa árdua. Como representar através de palavras tudo de melhor que o mundo pode oferecer? Como regidir com a intensidade real o fato de que eu daria a minha vida por você sem pensar duas vezes? Como explicar, pela graça de Jesus Cristo, que eu te amo mais que qualquer outra coisa que há no universo? E como te fazer acreditar que estou chorando ao escrever tudo isso sem você me chamar de doida? Kkkkk.

É incrível como vejo em você uma versão (super) aprimorada de mim. Com qualidades incontáveis, raras e maravilhosas e com defeitos que - se bem redirecionados - te levarão ao topo no futuro: a teimosia que se transformará em convicção, o fato de ser uma pessoa reservada e observadora que te dará o discernimento necessário nos momentos cruciais da sua vida.

Perfeição não existe, eu sei, mas o orgulho e a admiração que sinto por você são tão imensos que a cada dia que passa você me inspira a ser alguém melhor: mais verdadeira, menos egoísta e mais fiel a tudo ao meu redor.

Se eu puder te fazer um pedido, gostaria que acreditasse mais em si mesmo e entendesse o potencial que existe dentro de você. Imagino que seja difícil de enxergar por ser algo nato, porém não é impossível. Você carrega ele consigo e o transmite para todos que estão dispostos a vê-lo. Você não é só um cara, você é O cara. Inteligente e capaz de ser e fazer o que quiser com maestria. Não digo isso porque sou sua irmã, digo porque sou realista. Tenha fé nos seus sonhos e faça de tudo para que eles sejam concretizados: será um caminho sem volta.

Conte comigo pra absolutamente tudo, desde as coisas mais simples até as coisas mais sérias. Sempre vou estar com você, por você e, não importa a situação, nunca sairei do seu lado. Meu papel de irmã mais velha é te proteger, cuidar de você, te aconselhar e ser chata às vezes porque se não fosse assim não seria eu! Kkkk. Pode confiar em mim.

E por último, mas não menos importante: obrigada! Obrigada por ser tão incrível, por ouvir meus dramas, por ser o melhor irmão do mundo, por me deixar ganhar na insistência (kkkk), por me dar os melhores conselhos e por ser o melhor presente que já recebi na vida.

Feliz aniversário, meu amor! Que Deus te abençoe, proteja, ilumine e guie. Saúde, paz, amor, prosperidade e sucesso! 😍

Ps.: No fim do ano você estará tatuado na minha pele de alguma forma. #aceitaquedóimenos 😜

Nunca
Esqueça
O
Quanto
Eu
Amo
Você

#dezoito #meubebêcresceu #jápodedirigir #maistardequeroselfie #tôvelha #coisamaislindadomundo 💗"


E foi assim que meu irmão(zinho) se tornou maior de idade.

Até a próxima!

Beijos,
Isabella Proença.

"Às vezes os melhores amigos nascem e crescem ao nosso lado, mas só os reconhecemos realmente quando amadurecemos."

Você também poderá gostar de:

0 comentários