Dia dos pais #2

Oi pessoal, tudo bem? Espero que sim!

Apesar do dia dos pais ter sido há um tempinho, não poderia deixar de compartilhá-lo com vocês. 

A verdade é que dessa vez nós nem saímos, mas o que vale o registro é o fato de estarmos juntos.


Fui para casa no sábado por dois motivos: 1) minha madrasta marcou horário para eu fazer as unhas com a minha prima; 2) as filhinhas da minha outra prima fizeram aniversário e a festa seria nesse dia. O Léo não foi comigo pois teria que voltar para casa cedo no dia seguinte para almoçar com o pai dele. 

Fiz as unhas e, no fim das contas, não fui na festa. Meu pai trabalhou e fiquei praticamente sozinha até a noite assistindo How I Met Your Mother. 

Quando ele chegou do trabalho foi encontrar minha madrasta na festa, mas os dois logo voltaram pois acabou cedo. Nós lanchamos e eu, surpreendentemente, fui dormir antes de meia-noite. 

Domingo, dia dos pais, acordei 8h30min e descobri que meu pai iria trabalhar pois não havia ninguém para ficar na loja dele. Fiquei chateadíssima – para não dizer outra coisa. Minha madrasta foi para casa do avô com a mãe dela e passei a manhã sozinha.

Felizmente meu pai veio almoçar comigo e trouxe o meu irmão, mas teve que voltar para o trabalho. Não queria que ele fosse, mas ficar sozinha com meu irmão – o que não acontecia há anos – me deixou feliz.

Nós conversamos, falhei ao tentar convencê-lo a arrumar o perfil do facebook e escrever uma redação sobre o Botafogo, mas – finalmente – consegui convencê-lo a assistir Bates Motel. Ao terminarmos o primeiro episódio ele disse: “de todas as séries que você já me indicou, essa foi a que eu mais gostei”.  

Meu pai chegou pouco depois das 15h e ficamos juntos na sala, assistindo futebol. O jogo do Botafogo era às 19h e intercalamos entre os três jogos das 16h: PSG (estreia do Neymar), Flamengo e Vasco.

Como os jogos das 16h terminam antes das 18h, sugeri ao Lucas que assistíssemos mais um episódio de Bates e ele topou, mas meu pai soltou a pérola que marcou o feriado: “a mãe dele já morreu?”

Me perdoem pelo palavrão a seguir, mas não há expressão melhor para definir o meu sentimento após essa pergunta e a repercussão que ela causou entre nós do que: PUTA QUE PARIU! 

O Lucas ficou chateadíssimo – para não dizer outra coisa – e isso me deixou chateadíssima – de verdade – e meu pai ficou chateadíssimo – igual ao Lucas. 

Estava tentando fazê-lo assistir essa série há meses e quando finalmente consegui, meu pai soltou uma pergunta dessa e o Lucas simplesmente disse que não assistiria mais. 

Não vou nem tentar detalhar a situação pois não há como explicar esse drama através de palavras, mas confesso que quase chorei! Kkkkkkkk. Estou dando risadas ao lembrar do acontecido – o Léo mesmo morreu de rir quando contei para ele pois sabe como somos – porém naquele momento sensação de frustração tomou conta do meu ser durante alguns infinitos minutos. 

Tudo se acalmou quando o jogo do Botafogo começou e GRAÇAS A DEUS vencemos o Grêmio (ambos com o time de reservas), nosso próximo rival na Libertadores, por 1 a 0. 

O Lucas aceitou tirar foto conosco e, apesar de eu ter saído horrorosa, fiquei extremamente feliz.


Ultimamente tenho refletido muito sobre as coisas simples e corriqueiras e tenho tirado conclusões que fazem com que eu me sinta uma pessoa abençoada. Não há nada na minha vida que seja mais importante do que quem amo e isso torna um domingo em casa com meu pai e com meu irmão um acontecimento incrível e inesquecível.

Quando valorizamos o que realmente tem valor, cada segundo se torna único. Saber que meu pai não é eterno me dói de uma forma indescritível e não poder mudar isso é devastador, mas nada me impede de estar com ele o máximo que eu puder e demonstrar constantemente o quão incondicional é o meu amor. 

Depois de passar pelas minhas inúmeras crises percebi que sofrer pelo inevitável antecipadamente faz com que percamos a magia da vida. Decidi ser grata pelo presente e aproveitá-lo da maneira mais prazerosa possível: cercada de amor puro e verdadeiro.

Meu pai e meu irmão são a personificação da minha razão de viver.



"Falar sobre meu pai é sempre delicado pois engloba incontáveis sentimentos e causa diversas emoções. Eu poderia citar 1001 razões para amá-lo e ainda assim não seria suficiente. É uma linda e eterna história de amor que começou em 1995, ganhou mais um "personagem" (Lucas Proença) em 1999 e hoje é um triângulo perfeito que – apesar das controvérsias desses dois – pretendo tatuar na pele um dia. 

"Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas com palavras não sei dizer
Como é grande o meu amor por você [...]"

Dizem que só percebemos o valor de algo ou alguém quando o perdemos, mas o que meu pai construiu no meu coração sempre foi tão poderoso que desde pequena eu já tinha consciência do quão importante ele era na minha vida. Lembro que quando ele chegava do trabalho e deitava no sofá, eu corria para abraçá-lo de olhos abertos pois queria que aquela cena fosse eternizada na minha memória.

"[...] E não há nada pra comparar
Para poder lhe explicar
Como é grande o meu amor por você [...]"

A verdade é que às vezes o desejo de voltar no tempo é maior do que eu, mas a vida não funciona dessa forma... O que por um lado é bom: me possibilita tentar retribuir tudo o que ele fez – e continua fazendo – por mim. E é isso que me estimula a seguir em frente nos momentos em que nada parece fazer sentido.

"[...] Nem mesmo o céu, nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Nada é maior que o meu amor
Nem mais bonito [...]"

Nem todos os "obrigada" do universo seriam capazes de expressar minha gratidão e o quão abençoada sou por ser filha do melhor homem do mundo.

"[...] Me desespero a procurar
Alguma forma de lhe falar
Como é grande o meu amor por você [...]"

Meu pai é minha base, meu suporte, meu herói, meu amor exemplo, meu melhor amigo e o amor da minha vida. Tenho muito orgulho de ter o sangue dele correndo pelas minhas veias e de carregar seu sobrenome.

"[...] Nunca se esqueça, nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você."

Feliz dia dos pais, meu bebê. Te amo imensuravelmente! #fathersday"
_

E é isso.

"Quando eu crescesse eu queria ser que nem você, agora eu já cresci e ainda quero ser.
Eu tenho a cara do pai e tenho cada vez mais, eu tenho os olhos do pai e o coração.
Quando eu crescesse eu queria ser que nem você, agora eu já cresci e ainda quero ser.
Eu tenho orgulho do pai e tenho cada vez mais, é muito orgulho, meu pai, e gratidão."

Até a próxima!

Você também poderá gostar de:

0 comentários