Sorrisos Quebrados


  • Editora: Publicação independente (eBook).
  • Número de Páginas: 286.
  • Autor: Sofia Silva.
Paola:
Perante Deus, o meu marido prometeu me amar.
Cuidar de mim. Ser meu amigo.
Perante todos, disse que me amava. Que íamos ser felizes.
Viver para sempre juntos.
Mentiu em tudo.
Até que um dia, perante mim, ele disse que ia me matar. E não mentiu.
A partir desse dia vivi escondida no meu mundo, até o André aparecer.

André:
Não procurava nada. Não queria ninguém.
Não depois de tudo que vivi.
O meu coração estava escondido na escuridão, até a Paola surgir com as suas cores, pintando a minha vida.

Sorrisos Quebrados é um romance colorido entre duas pessoas Quebradas por relacionamentos passados.

Uma história de superação dos próprios medos e promessas.


Por que existem pessoas tão cruéis na Terra? Como elas são capazes de quebrar aqueles que juravam amar incondicionalmente?

E depois... Há como viver em pedaços?

Eles viviam.

Até se encontrarem.

[...] 

Sorrisos Quebrados não é baseado em uma história real específica, porém chama nossa atenção para um assunto extremamente importante e delicado: relacionamentos abusivos e suas consequências.

Lendo o prólogo senti uma facada em meu coração e diversos socos na boca do meu estômago.

É pesado, é violento, é doentio e seria surreal se não retratasse a realidade de milhares de mulheres e homens que sofrem diariamente. 

Através da leitura do mesmo nos é apresentada a personagem principal, Paola, no momento de seu óbito.

Sim, ela morre.

Mas sobrevive.

"Todos os dias é um recomeço.
Todos os dias renasço.
Todos os dias me levanto.
Todos os dias não desisto.
Todos os dias vivo como se não tivesse 
Todos os dias."

Seis anos se passaram e há dois ela vive em uma Clínica Psiquiátrica por opção. A morte deixou irreversíveis sequelas interna e externamente. Ela já não suportava mais os olhares culposos, penosos e temerosos de seus amigos e familiares.

Impossível julgá-la.

No sexto aniversário de seu falecimento, no meio de um surto, Paola e André se encontram pela primeira vez. Ele também foi quebrado, mas seu exterior está intacto. Alto, musculoso. moreno, viril. Características que atrairiam qualquer outra mulher que o visse, mas que a amedrontaram e intimidaram.

Porém não são seus próprios problemas que o trazem a Clínica e sim os de sua filha, Sol, que tem apenas 4 aninhos de idade e traumas severos que a fizeram se fechar completamente para o mundo exterior.

Com Paola tudo é diferente.

"A felicidade da minha pequena é visível e me dá um aperto no peito, porque a minha filha é tudo menos uma criança feliz. Dentro de casa e comigo ela ri e brinca, conversamos e passeamos juntos, mas com outras pessoas nada acontece. Ela não fala com ninguém, tem medo de estranhos e mesmo as crianças da sua idade a assustam."

As duas criam um elo instantâneo e inquebrável, onde se ajudam mutuamente de uma forma encantadoramente natural. É lindo. André fica intrigado e ao mesmo tempo grato, enquanto os médicos percebem uma evolução considerável no quadro de ambas. 

A aproximação entre André e Paola é mais complexa. Ela tem medo dele. Ele é grande e forte. Ela é pequena e frágil.

Mas ele insiste. Com respeito, carinho e cuidado. Ele quer entendê-la e para isso tenta fazer com que ela o entenda. Os limites não são ultrapassados. As conversas são curtas e objetivas. As atitudes falam por eles. Ele a admira por fazer sua filha feliz. Ela o admira pelo pai que é.

Aos poucos as barreiras vão sendo derrubadas, os pensamentos vão sendo compartilhados e as histórias de vida de cada um vão sendo reveladas.

Por que não juntar os pedaços?

"Eu só preciso ter alguém comigo por uma noite para dar luz à minha vida."

É difícil encontrar palavras para expressar com exatidão o quanto esse livro me tocou. Apesar de abordar temas tão duros a escrita é levemente poética, tornando os relatos mais íntimos e envolventes. 

Os personagens são apaixonantes e acompanhá-los é um presente que nos ensina muito sobre o valor da vida e a importância do amor verdadeiro.

É motivador vê-los vencendo seus demônios do passado e pintando um futuro fluorescente e iluminado por um lindo raio de Sol.

"O universo pode ser um lugar escuro, mas basta uma estrela para iluminá-lo."

Paola, André e Sol.
Três estrelas.
Obrigada por iluminarem - e colorirem - a minha vida.

"Sou eu, desenhando degraus na vida da Sol porque ela é o maior projeto."

Você também poderá gostar de:

1 comentários

  1. Olá,

    Já vi a capa do livro nas redes sociais, mas não tinha parado para saber mais da história.
    Gostei muito da premissa, dica anotada!
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir