Trilogia 'Não pare!'

Oi pessoal, tudo bem com vocês? Espero que sim!

O post de hoje é especial por 2 motivos: 1) é a primeira vez que resenho uma trilogia 2) se tornou a minha favorita e não via a hora de compartilhá-la com vocês.

Nunca fui fã do gênero fantasia e se não fosse pela minha supervisora do estágio provavelmente não teria tido nenhum interesse em ler esses livros, então deixo aqui registrada a minha gratidão a Bianca! <3 


Nina Scott não suportava mais a vida nômade e solitária que sua mãe, Stela, a obrigava a ter. Mudar de cidade ou de país a cada piscar de olhos, conviver com tantas perguntas que a consumiam, assombrada por mistérios de um passado guardado a sete chaves. Agora, aos 16 anos, a garota das estranhas pupilas verticais exigia respostas.
E, para sua péssima sorte, elas já estavam a caminho!
Quando Stela decide ficar em Nova York, Nina acredita que seu sonho de ter uma vida normal vai se tornar realidade. Finalmente terminará o ano letivo em um mesmo colégio, poderá fazer amigos sem ter que abandoná-los em seguida, viver um grande amor, amadurecer, criar raízes... Enfim, curtir a adolescência.
Mas o “normal” está muito longe da vida de Nina!
Perdida no olho de um furacão de mortes e inexplicáveis acidentes, tendo que esconder os terríveis fatos da mãe paranoica, Nina começa a desconfiar da própria sanidade mental, de tudo e de todos. O que explicaria os paralisantes calafrios, a perda de visão e de memória que experimentava sempre que alguém morria ao seu redor? O que ela teria a ver com os bizarros e sobrenaturais acontecimentos? Estariam eles interligados?
Seria a Morte sua companheira para toda a vida? É chegada a hora da verdade.
Nem tudo é o que parece ser. Perigo. A vida depende da Morte. Sedução. Não há onde se esconder. Medo. Olhos de um fascinante azul-turquesa espreitam. Paixão. Uma nova dimensão será aberta. Suspense. Cenários deslumbrantes e passagens infernais. Ação.
É de tirar o fôlego.
Viva este quebra-cabeça...Enquanto você pode.


Não sabia o que esperar dessa trilogia e fui pega de surpresa com o quão envolvida me senti desde as primeiras páginas lidas. Há muito mistério envolto e o clima de tensão é constante, tornando todos os acontecimentos intensos e nos deixando, literalmente, sedentos por mais. 

O primeiro livro (Não pare!) cumpre com perfeição o seu papel de embarque. É como se ele nos convencesse a entrar em um avião sem saber seu destino final. Nos faz criar diversas teorias e joga cada uma delas por terra, até aceitarmos que não há outra opção além de nos darmos por vencidos e subir a bordo.

“Como a morte poderia ser tão bela? O certo seria que ela fosse horripilante, como nos filmes de terror.”

O segundo livro (Não olhe!) é uma completa, complexa, enlouquecedora, complicada, confusa e assustadora viagem! Adentramos em uma dimensão única que nos deixa alucinados. É ainda mais potente e surpreendente do que o primeiro. Tomamos conhecimento de uma realidade encantadoramente macabra e acompanhamos o processo de evolução de Nina. A descrença, o medo, a dor, os olhos azuis [...] se transformando em algo maior, mais forte. Há conflitos, batalhas, perseguição, fuga [...] e amor.  

"Fique tranquila. O que é para ser seu a ti retornará. É só uma questão de tempo."

O terceiro livro (Não fuja!) é a aterrizagem, mas está longe de ser um pouso comum. É turbulento e incerto até o último segundo. Todas as dúvidas são dolorosamente sanadas, todas as perguntas são cruelmente respondidas e a grande guerra tem um vencedor... E, é claro, um perdedor.

“Os sonhos nem sempre se realizam, Tesouro. Acostume-se. […] Você descobrirá que é perigoso demais dar crédito aos sonhos. Podem ser pesadelos disfarçados.”

Os personagens são apaixonantes e foi muito interessante acompanhar o amadurecimento de cada um deles. Vivi uma montanha-russa de sentimentos juntamente com Nina e, às vezes, por ela. 

Derramei algumas lágrimas, meu estômago embrulhou e senti um nó na minha garganta em vários momentos. Foi mágico sair do meu mundo. 

Não há como finalizar essa resenha sem exaltar a autora, FML Pepper. Tenho certeza que ela tem uma luz incrível, pois só pessoas iluminadas seriam capazes de redigir uma história maravilhosa como essa. Tudo me cativou: sua escrita inteligente e ambiciosa (fazendo uso de palavras que funcionarão perfeitamente quando traduzidas para outras línguas), sua criatividade imensurável, sua sensibilidade (não é qualquer um que consegue plantar - o amor - num solo infértil - a morte - de uma forma tão natural) e seu perfeccionismo. Ela não deixou nada passar desapercebido, tudo foi muito bem explicado.

"Amar um dia de cada vez.
Viver um dia de cada vez.
Alegrar-me com o hoje, com o agora, como se fosse o último instante da minha vida.
Experimentar a felicidade, aceitá-la apaixonadamente e de braços abertos sem saber o que será do amanhã. Viver o presente com alegria e esperança porque, como o próprio nome diz, ele é um presente de Deus. O grande prêmio de despertar a cada manhã, de amar e ser amado."

Essa viagem chegou ao fim e não vejo a hora de revivê-la... Desejo que a sua seja tão excelente e inesquecível quanto a minha.

CLASSIFICAÇÃO: 

Você também poderá gostar de:

3 comentários